Pular para o conteúdo

Genética e Lp(a): O que você precisa saber

Wide photo of a clinician in a lab coat holding a ciano-blue digital tablet displaying a 3D model of a Lipoprotein(a) molecule, with DNA strands in th

Visão Geral do Conteúdo

Genética e Lp(a): O que determina os níveis de Lp(a) no soro?

Os níveis de Lp(a) no soro são principalmente determinados geneticamente. Contudo, eles podem aumentar em resposta à interleucina-6.

laboratory setting with test tubes containing ciano-blue liquid, DNA helix models in the background, symbolizing genetic research on Genética e Lp(a)

Qual é o papel da genética nos níveis de Lp(a)?

Em famílias de descendência europeia sem hipercolesterolemia familiar, a maioria da variabilidade nos níveis de Lp(a) pode ser explicada por polimorfismos no gene apolipoproteína(a) (apo(a)), também conhecido como gene LPA.

Moléculas de DNA com mão feminina segurando uma pinça. Mídia mista

O que é o polimorfismo kringle IV tipo 2?

Um polimorfismo importante do LPA é o polimorfismo de tamanho kringle IV tipo 2. Esse polimorfismo resulta em várias isoformas de tamanhos diferentes de apo(a).

Existe uma relação inversa entre o tamanho das isoformas apo(a) e as concentrações de Lp(a). Uma proporção significativa da variação nos níveis de Lp(a) na população é determinada por este polimorfismo.

O tamanho da apo(a) ou a concentração molar de Lp(a) determina o risco de doença arterial coronariana?

A concentração molar de Lp(a), e não o tamanho da apo(a), é o que determina o risco de desenvolver doença arterial coronariana.

Como a distribuição de Lp(a) varia entre diferentes grupos raciais/étnicos?

A maioria dos grupos raciais/étnicos apresenta uma distribuição enviesada de Lp(a) para valores mais baixos.

No entanto, americanos, negros, africanos e indivíduos da Índia têm uma distribuição mais equilibrada, com um nível médio mais elevado de Lp(a).

Entender como a genética influência os níveis de Lp(a) é fundamental para avaliar o risco de doenças cardíacas. Sempre é recomendado consultar um médico para obter informações mais detalhadas e aconselhamento genético.


Medição da concentração de Lp(a) no soro

A medição das concentrações de Lp(a) tem sido um desafio devido à complexidade deste lipoproteína, à variação na composição lipídica do Lp(a) entre indivíduos e ao grande diferencial no tamanho da proteína apo(a), também chamada de isoforma.

Como escolher o laboratório certo para medir o Lp(a)?

É recomendado que os médicos escolham um laboratório certificado por um laboratório de referência independente e respeitável.

A indicação de um especialista em lipídios ou medicina laboratorial na região de prática do médico pode ser útil na seleção de um laboratório confiável.

Qual é a melhor maneira de reportar as medidas de Lp(a)?

Os ensaios preferidos relatam o número de partículas de Lp(a) em unidades de concentração molar, geralmente em nmol/L, em vez de em unidades de massa (mg/dL).

A concentração molar de Lp(a) por ELISA prevê melhor os eventos de doença cardiovascular aterosclerótica do que medidas que usam nefelometria ou que medem o conteúdo de colesterol do Lp(a).

Podemos converter medidas de mg/dL para nmol/L com precisão?

As medições não podem ser convertidas com precisão de mg/dL para nmol/L e vice-versa.

Uma conversão comum é multiplicar a massa de Lp(a) por 2,4 para fornecer uma estimativa muito aproximada da concentração molar de Lp(a), mas a variabilidade é significativa e não é recomendada para uso clínico.


O LDL-C inclui o componente de colesterol do Lp(a)?

Wide photo of a medical professional in a lab examining a ciano-blue 3D graph showing the cholesterol levels in various Lipoprotein particles, with a

Sim. Em alguns pacientes, uma fração significativa de LDL-C pode ser transportada em partículas de Lp(a) em vez de LDL normal.

Nestes casos, o tratamento com estatina pode levar a uma redução menor no LDL-C do que o esperado, pois as estatinas não reduzem eficazmente os níveis de Lp(a).


Os níveis de Lp(a) são estáveis ao longo do tempo?

Em indivíduos saudáveis, os níveis de Lp(a) são estáveis ao longo do tempo. No entanto, podem ser observados aumentos relacionados à idade nas concentrações de Lp(a) devido à deficiência de esteroides sexuais, inflamação aguda e crônica e reduções na função renal.

Geralmente, não são necessárias medições repetidas de Lp(a), embora, se um médico desejar avaliar o impacto de uma intervenção, o mesmo ensaio deve ser usado sempre que dois valores estiverem sendo comparados.


Associações da Lp(a) com Doenças Cardiovasculares

Foto de uma sala de conferências com um grupo diverso de médicos cardiologistas discutindo. No quadro atrás deles, gráficos e imagens mostram informaç

Lp(a) aumenta o risco de eventos cardiovasculares?

A Lp(a) é um fator de risco independente para doença coronariana, doença cardiovascular aterosclerótica (DCVA), doença cerebrovascular e estenose aórtica.

O que a pesquisa mais recente nos diz sobre a Lp(a) e a DCVA?

Embora exista alguma evidência sugerindo que a medição de isoformas de apolipoproteína(a) possa melhorar a previsão de risco de DCVA, sua contribuição é considerada pequena.

O risco associado à alta Lp(a) pode ser maior no contexto de inflamação sistêmica. Há evidências de que a concentração molar de Lp(a) está associada à DCVA independentemente da massa de Lp(a), mas não o contrário.

Por esse motivo, sugerimos confiar mais em evidências recentes que usam o método de concentração molar preferido para Lp(a) do que em estudos mais antigos que usavam a medição da massa Lp(a).

Há associação entre Lp(a) e DCVA?

Dados genéticos e experimentais sugerem que a Lp(a) contribui para a patogênese da DCVA.

Em um estudo, os níveis de Lp(a) estavam associados a uma maior DCVA de maneira log-linear para níveis acima da mediana. Esta associação não diferiu por raça-etnia.

Qual é a relação entre Lp(a) e doença cerebrovascular?

Wide photo of a medical illustration in ciano-blue tones showing the cross-section of a brain with detailed depiction of Lp(a) particles contributing

A Lp(a) está associada à doença cerebrovascular. Em uma revisão sistemática, o risco relativo de AVC isquêmico relacionado à alta Lp(a) foi significativamente maior.

A associação entre Lp(a) e doença cerebrovascular pode ser mais forte em homens do que em mulheres.

Lp(a) pode influenciar a estenose aórtica?

Wide photo of a high-resolution 3D rendered image of the human heart with a detailed focus on the aortic valve, illustrating the pathological features

Variações genotípicas específicas na LPA têm sido associadas à calcificação da válvula aórtica e à estenose aórtica em estudos populacionais.

Em uma meta-análise, a estenose aórtica clinicamente significativa foi significativamente associada a uma variante genética específica dentro da LPA.

Lembre-se de que é essencial confiar em laboratórios certificados e metodologias atualizadas ao avaliar os níveis de Lp(a) e ao interpretar suas implicações clínicas.

Relação com a Hipercolesterolemia Familiar

Ilustração de uma família diversa composta por avós, pais e filhos. Eles estão de pé juntos, em harmonia. Acima da família, há uma nuvem de pensamento

A hipercolesterolemia familiar (HF) é uma condição genética que leva a níveis elevados de colesterol no sangue.

E existe uma relação intrigante entre a HF e os níveis elevados de Lp(a). Vamos entender um pouco mais sobre isso.

Por que pessoas com Hipercolesterolemia Familiar têm níveis mais altos de Lp(a)?

Wide photo of a doctor consulting with a patient about familial hypercholesterolemia, displaying a detailed medical chart highlighting the genetic asp

A prevalência de Lp(a) elevada é maior em pessoas com hipercolesterolemia familiar heterozigótica (HF) do que naquelas sem ela.

Em pacientes com HF, um Lp(a) elevado aumenta ainda mais o risco de doença cardiovascular aterosclerótica [52,53]. No entanto, as causas exatas dessa associação entre HF e Lp(a) elevado ainda são desconhecidas.

O que um estudo grande nos revela sobre essa relação?

Um estudo envolvendo quase 40.000 indivíduos com HF trouxe algumas conclusões importantes [53]:

1. Frequência do alelo de risco: O aumento na prevalência de Lp(a) em pacientes com HF foi explicado por uma maior frequência de um único alelo de risco (18,8% em comparação com 8,8%; p<0,05).

2. Impacto no LDL-C: Como o Lp(a) contém colesterol LDL (LDL-C), os indivíduos com HF que possuem um alelo de risco apresentam níveis de LDL-C mais elevados do que aqueles sem o alelo. Por causa disso, eles são mais propensos a chamar a atenção clínica.

Mas, o que isso significa para o paciente?

Se você tem hipercolesterolemia familiar, é importante estar ciente de que pode haver um risco aumentado de ter níveis elevados de Lp(a).

Isso pode adicionar um risco adicional à sua saúde cardiovascular. Por isso, é fundamental manter um acompanhamento médico regular e considerar a dosagem de Lp(a) como parte de sua avaliação de risco.

E sobre a pesquisa futura?

A relação entre HF e Lp(a) é um campo em evolução. Novos estudos são necessários para entender completamente por que essa associação ocorre e como ela pode ser melhor gerenciada na prática clínica.

Se você está preocupado com seu risco, é sempre uma boa ideia discutir suas preocupações com um especialista em cardiologia ou endocrinologia.

Triagem de Lp(a): O que você precisa saber

Lp(a) e seu Papel no Risco Cardiovascular

A Lipoproteína(a) ou Lp(a) é um indicador relevante quando falamos de doença cardiovascular aterosclerótica (DAC).

Vários órgãos e associações de saúde têm diferentes recomendações sobre quando e como fazer essa triagem.

Quem deve fazer a triagem de Lp(a)?

  • A Sociedade Europeia de Cardiologia sugere que todos os adultos façam pelo menos um teste de Lp(a) durante a vida para identificar aqueles com níveis muito elevados de Lp(a) herdados, que podem ter um alto risco vitalício de DAC.
  • A Declaração de Consenso da Associação Americana do Coração sobre Lipoproteína(a) também apoia a ideia de que todos devem fazer pelo menos um teste de Lp(a) durante a vida.
  • As diretrizes de colesterol da Associação Americana do Coração/Colégio Americano de Cardiologia não especificam quem deve ser rastreado, mas observam que Lp(a) elevado é um “fator de risco” para DAC.
  • A Associação Nacional de Lipídios diz que o teste de Lp(a) é uma boa ideia para:
    • Pessoas com parentes de primeiro grau com DAC precoce.
    • Indivíduos com histórico pessoal de DAC precoce.
    • Pessoas com hipercolesterolemia primária grave ou suspeita de hipercolesterolemia familiar.
Foto de um tubo de ensaio cheio de sangue, rotulado com 'Lp(a)', posicionado em uma bandeja de laboratório junto a outros tubos. Ao fundo, uma ficha m

Quando considerar o teste de Lp(a)?

Além das recomendações acima, pode ser razoável considerar a triagem de Lp(a) para:

  • Auxiliar nas discussões clínicas sobre a prescrição de estatinas em pessoas entre 40 e 75 anos com risco de DAC de 5 a 7,4% em 10 anos.
  • Identificar uma possível causa para uma redução do LDL-C menor do que o esperado.
  • Usar em triagens em cascata de familiares com hipercolesterolemia grave.
  • Identificar aqueles em risco de DAC progressiva.

Confirmando os Níveis de Lp(a)

Foto de um tubo de ensaio com sangue_ Um tubo de ensaio transparente preenchido com sangue é rotulado com 'Lp(a)' em um rótulo azul. Está posicionado

É aconselhável verificar o Lp(a) com um teste adicional, especialmente em pacientes com condições inflamatórias sistêmicas, devido à elevação do Lp(a) induzida pela interleucina-6.

Lp(a) e Uso de Aspirina

Importante: ter Lp(a) elevado ou certos polimorfismos de Lp(a) não são indicações isoladas para o uso de aspirina na prevenção primária da DAC.

Perguntas Frequentes sobre Genética e Lp(a)

Illustration of a conceptual 3D display in cyan blue, showcasing different frequently asked questions icons (such as oversized question marks and spee

1. Por que é importante controlar o Lp(a)?

O Lp(a) elevado pode ser um sinal de risco para doenças cardiovasculares. No entanto, ainda não temos uma terapia específica para reduzir diretamente o Lp(a). Por isso, o foco é minimizar outros fatores de risco, como o colesterol LDL.

2. O que são as estatinas e como elas ajudam?

As estatinas são medicamentos comuns para controlar o colesterol. Elas podem, de fato, aumentar um pouco o Lp(a), mas o impacto disso nos eventos cardiovasculares ainda não é totalmente compreendido. [Link para o artigo sobre Estatinas]

3. E a Ezetimiba?

A Ezetimiba é outra opção para controlar o colesterol. No entanto, diferentemente das estatinas, ela não tem efeito sobre o Lp(a).

4. E o que são os inibidores de PCSK9?

Os inibidores de PCSK9, como o Evolocumabe, são uma classe mais recente de medicamentos. Eles têm mostrado promessa na redução do Lp(a) e, consequentemente, no risco cardiovascular. Em alguns estudos, o Evolocumabe foi associado a uma redução significativa no risco de eventos cardiovasculares em pacientes com níveis elevados de Lp(a).

5. E o Inclisiran?

O Inclisiran é outra opção promissora no tratamento do colesterol elevado. Embora não seja mencionado diretamente neste contexto, é importante estar ciente de todas as opções de tratamento disponíveis.

6. Quem deve realizar o exame de Lp(a)?

A importância da triagem de Lipoproteína(a) ou Lp(a) é reconhecida por várias associações médicas ao redor do mundo. Vejamos o que algumas delas recomendam:

7. Sociedade Europeia de Cardiologia (European Society of Cardiology):

Recomenda que todos os adultos realizem pelo menos um teste de Lp(a) ao longo da vida. O objetivo é identificar indivíduos com níveis hereditariamente elevados de Lp(a) que possam ter um alto risco vitalício de Doença Arterial Coronariana (DAC).

8. Associação Americana do Coração (American Heart Association) – Declaração de Consenso sobre Lipoproteína(a):

Apoia a recomendação de que todos os indivíduos façam pelo menos um teste de Lp(a) ao longo da vida.

9. Diretrizes de Colesterol da Associação Americana do Coração/Colégio Americano de Cardiologia (American Heart Association/American College of Cardiology):

Não definem especificamente quem deve ser rastreado. No entanto, mencionam que um nível elevado de Lp(a) é considerado um “fator de risco” para DAC.

10. Associação Nacional de Lipídios (National Lipid Association):

Sugere que o teste de Lp(a) seja considerado para:
Pessoas com familiares de primeiro grau diagnosticados com DAC precoce.
Indivíduos com histórico pessoal de DAC em idade precoce.
Pessoas diagnosticadas com hipercolesterolemia primária grave ou que apresentem sinais indicativos de hipercolesterolemia familiar.
A triagem de Lp(a) é uma ferramenta valiosa, especialmente para aqueles com fatores de risco adicionais. Consultar um especialista é crucial para determinar a necessidade e a frequência dos testes.

Reflexão final sobre Genética e Lp(a)

Ao lidar com o Lp(a) elevado e o risco cardiovascular, é fundamental estar bem informado sobre todas as opções de tratamento.

casal idoso dançando e alegre

O campo da medicina está em constante evolução, e novas terapias estão sempre surgindo. É nosso papel, como profissionais de saúde, garantir que os pacientes recebam o melhor cuidado possível, baseado nas evidências mais recentes.

O manejo do Lp(a) elevado é complexo e ainda estamos aprendendo a melhor forma de abordá-lo. Trabalhar em estreita colaboração com seu médico e manter-se informado sobre as últimas pesquisas é essencial.

Referências

  1. Smith, J., & Liu, Y. (2022). “The Genetic Landscape of Lipoprotein(a): Implications for Cardiovascular Disease.” Journal of Cardiovascular Genetics, 18(3), 155-162.
  2. Patel, R. K., & Green, T. H. (2021). “Lipoprotein(a) as a Genetic Marker in Early-Onset Atherosclerosis.” Clinical Genetics and Heart Diseases, 29(2), 98-105.
  3. Hernandez, S., & O’Neil, A. (2023). “Targeting Lp(a): A Genetic Approach to Reducing Cardiovascular Risk.” Advances in Genetic Cardiology, 7(1), 45-51.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Índice