Óleo de coco está relacionado ao aumento do LDL (colesterol ruim)

MCT coconut oil concept - coconuts, butter and oil on wood background

Resumo

Novas evidências estão esclarecendo algumas das alegações de saúde feitas sobre o óleo de coco. Combinando os dados de 16 estudos publicados, os pesquisadores descobriram que o uso de óleo de coco está associado a aumentos na lipoproteína de baixa densidade (LDL), também chamado de “colesterol ruim”, e nos níveis de colesterol total, potencialmente colocando as pessoas em maior risco de doença cardiovascular.

Comparado aos óleos não tropicais de oliva, soja ou canola, o alto consumo de óleo de coco aumentou substancialmente o colesterol LDL. O consumo diário de 3 a 4 colheres de sopa de óleo de coco foi associado a um aumento estimado de 10 mg/dL nos níveis de LDL, ou seja, um salto de cerca de 9%.

“A principal mensagem é que estudos científicos em humanos não deram suporte a um possível efeito benéfico do consumo de óleo de coco na gordura corporal, inflamação, açúcar no sangue ou na saúde do coração”, disse o autor sênior Rob M. van Dam, PhD, para o Medscape Medical News. “Portanto, não há boas razões para consumir óleo de coco para melhorar a saúde”, disse ele.

A revisão sistemática e a meta-análise foram publicadas on-line em 13 de janeiro de 2020 na Circulation, importante revista da American Heart Association (uma das maiores associações de médicos cardiologistas do mundo)

O tipo de gordura comum no óleo de coco pode ser o culpado, disse van Dam, professor de epidemiologia e vice-reitor de assuntos acadêmicos da National University of Singapore. “O óleo de coco consiste em cerca de 90% de gordura saturada, que é superior à proporção de gordura saturada na manteiga ou banha”.

Os defensores dos benefícios à saúde do óleo de coco apontam que os ácidos graxos de cadeia média são normalmente absorvidos pela veia porta “em vez de usados para produzir colesterol no corpo”, disse van Dam.

No entanto, um ácido graxo de cadeia média no óleo de coco, o ácido láurico, pode metabolizar diferentemente dos outros da classe. “Ele é absorvido e transportado como ácidos graxos de cadeia longa, em vez de outros ácidos graxos de cadeia média”, acrescentou. Em outras palavras, o óleo de coco pode não ser tão saudável quanto algumas pessoas acreditavam.

Além disso, cerca de um quarto da gordura de coco consiste em ácidos graxos saturados de cadeia longa, ácido mirístico e ácido palmítico. “Assim, com base em um entendimento mais detalhado da composição de ácidos graxos do óleo de coco e da biologia desses ácidos graxos, nossas descobertas não são surpreendentes”, disse van Dam.

Os resultados atuais contrastam com uma meta-análise de rede anterior que não relatou aumentos significativos no colesterol LDL associado ao óleo de coco versus óleos não tropicais. “No entanto, os autores da meta-análise incluíram apenas 6 ensaios com óleo de coco”, observam os pesquisadores.

Os resultados de outros estudos sobre o consumo de óleo de coco e os níveis séricos de colesterol são variados, afirmam os pesquisadores. Alguns sugerem que, além dos níveis lipídicos, o óleo de coco pode aliviar a inflamação, melhorar a homeostase da glicose e reduzir a gordura corporal.

Procurando uma resposta mais definitiva, van Dam e seus colegas, com a autora principal Nithya Neelakantan, PhD, conduziram uma pesquisa que identificou 873 artigos potencialmente relevantes. Sua análise incluiu 16 artigos, com um total de 17 estudos que envolveram 730 participantes.

Van Dam e colegas relatam que o óleo de coco não teve efeito significativo no peso corporal, na circunferência da cintura, na porcentagem de gordura corporal, nos níveis de proteína C reativa ou nos níveis de glicose no plasma em jejum em comparação com os óleos vegetais não tropicais.

Os resultados da revisão sistemática e da metanálise demonstram que “não há boas razões para consumir óleo de coco para melhorar a saúde. Por outro lado, o alto consumo aumenta as concentrações sanguíneas de colesterol LDL e pode, portanto, aumentar o risco de doença cardíaca”, segundo van Dam.

“Os médicos devem desaconselhar o consumo regular de gorduras animais ou óleos de cozinha tropicais, incluindo óleo de coco, para a prevenção de doenças cardíacas”, disse ele. “No entanto, é improvável que o uso esporádico e limitado de óleo de coco na culinária tenha um efeito prejudicial substancial”, acrescentou.

O próximo passo ideal na pesquisa seria estudar como o consumo de óleo de coco afeta os resultados das doenças cardiovasculares, disse van Dam.

Um dos óleos de cozinha “mais prejudiciais”?

“No geral, essa meta-análise é rigorosamente conduzida e relatada, colocando os resultados no contexto da prevenção de doenças cardiovasculares”, Frank M. Sacks, MD, do departamento de nutrição e metabolismo molecular da Harvard T. H. Chan School of Public Health, Boston, Massachusetts, em nota em um editorial de acompanhamento.

Uma pesquisa de 2016 mostrou que 72% dos americanos encaravam o óleo de coco como um “alimento saudável”, acrescentou. “Isso representa um sucesso notável no marketing do óleo de coco e de indústrias relacionadas, chamando o óleo de coco de um produto natural e saudável, apesar de sua ação conhecida para aumentar o colesterol LDL, uma causa estabelecida de eventos de aterosclerose e cardiovasculares”.

O óleo de coco pode ser visto como um dos óleos de cozinha “mais prejudiciais” já que aumenta o risco de doenças cardiovasculares, disse Sacks.

Substituir o óleo de coco (rico em gordura saturada) por óleos vegetais insaturados não tropicais, especialmente os ricos em gordura poliinsaturada, trará benefícios à saúde, observou Sacks. Os resultados do presente estudo podem orientar as recomendações nutricionais.

Ele acrescentou que na prática culinária o óleo de coco não deve ser usado como óleo de cozinha comum, “embora possa ser usado com moderação para dar sabor ou textura”.

Textos relacionados:

Dieta e saúde

Como melhorar o colesterol?

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.