Categorias Cardiologia

Diferença entre Miopericardite e Perimiocardite

No campo da cardiologia, a precisão na terminologia médica é fundamental para o diagnóstico correto e a implementação eficaz de tratamentos.

Uma área onde essa precisão é particularmente crítica é no diagnóstico e tratamento de condições cardíacas inflamatórias, especificamente na diferenciação entre “miopericardite” e “perimiocardite”.

Anúncio

Embora frequentemente usados de forma intercambiável, estes termos descrevem processos de doença distintos, cada um com sua própria abordagem de diagnóstico e tratamento.

Este artigo visa esclarecer estas diferenças, contribuindo para a prática clínica dos médicos no manejo dessas condições complexas.

Miopericardite

A “miopericardite” refere-se a casos de pericardite aguda confirmada com elevação da troponina, mas sem disfunção sistólica do ventrículo esquerdo (VE).

Este diagnóstico geralmente indica uma inflamação primária do pericárdio com envolvimento secundário do miocárdio.

O manejo clínico da miopericardite concentra-se no tratamento da pericardite aguda, com ênfase na monitorização cardíaca para detectar potencial progressão para disfunção sistólica do VE.

Perimiocardite

Em contraste, a “perimiocardite” descreve casos que se apresentam como pericardite aguda com elevação da troponina e fração de ejeção do VE inferior a 55%. Portanto seria uma pericardite com miocardite e com disfunção sistólica do ventrículo esquerdo (VE)

Este diagnóstico sugere uma inflamação primária do miocárdio com envolvimento secundário do pericárdio.

A abordagem diagnóstica para a perimiocardite é a mesma que para a miocardite. O tratamento depende dos resultados da avaliação diagnóstica e não inclui intrinsecamente tratamentos comuns à pericardite aguda e miopericardite.

Tratamento da Miopericardite

Portal Medicina Ribeirão: Saúde e Bem-estar ao alcance de todos – Imagem Decorativa

O tratamento da miopericardite assume que condições como perimiocardite, miocardite e síndrome coronariana aguda foram razoavelmente excluídas.

A abordagem terapêutica envolve principalmente o uso de anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) e colchicina, com expectativa de normalização dos marcadores inflamatórios em até seis meses.

Pacientes que não respondem à terapia inicial devem ser encaminhados a um especialista para reavaliar o diagnóstico e reconsiderar o regime terapêutico.

Tratamento Farmacológico Inicial

Para a maioria dos pacientes com miopericardite aguda, recomenda-se a terapia inicial com colchicina em combinação com AINEs, ao invés de apenas AINEs. As dosagens típicas para o tratamento são as seguintes:

  • Indometacina: 25 mg três vezes ao dia

OU

  • Ibuprofeno: 600 a 800 mg três vezes ao dia

E

  • Colchicina: 0.5 a 0.6 mg uma vez ao dia para pacientes com peso inferior a 70 kg

OU

  • Colchicina: 0.5 a 0.6 mg duas vezes ao dia para pacientes com peso igual ou superior a 70 kg

Geralmente, os sintomas se resolvem dentro de 72 horas, momento em que os AINEs são gradualmente reduzidos ao longo de duas a quatro semanas. A colchicina é normalmente continuada por três meses e, depois, interrompida sem redução gradual da dose.


Veja abaixo a referência do Uptodate:

Base de Evidências para o Tratamento

A abordagem para o tratamento inicial baseia-se na experiência clínica e em dados observacionais limitados sobre miopericardite, bem como na segurança e eficácia da colchicina relatada em ensaios clínicos randomizados com pacientes com pericardite aguda ou recorrente.

Embora a terapia com AINEs esteja associada a uma maior mortalidade em modelos animais de miocardite, acredita-se que essa evidência não se aplique a pacientes com miopericardite.

Manejo de Sintomas Refratários na Miopericardite

Em casos onde os sintomas torácicos persistem além de 72 horas, os biomarcadores cardíacos permanecem elevados, e/ou há diminuição da função do ventrículo esquerdo (VE), é necessária uma reavaliação do diagnóstico de miopericardite.

Tratamento Alternativo

Se a miopericardite continuar sendo o diagnóstico principal e houver intolerância a AINEs ou colchicina, ou se os sintomas forem refratários a esses tratamentos, pode-se considerar o uso de um curso curto de glicocorticoides, após discussão sobre os riscos e benefícios.

Beta-bloqueadores também podem ser utilizados para tratar sintomas residuais, como palpitações e dor no peito.

A evidência para o uso de glicocorticoides, beta-bloqueadores e outros tratamentos (como anakinra, rilonacept) é inferida de estudos observacionais que mostram um possível benefício na pericardite aguda ou recorrente.

Restrição de Exercícios

Recomenda-se a cessação completa de esportes competitivos e a limitação da atividade física para caminhada e treinamento leve com pesos (não mais do que 5 kg) por pelo menos três meses.

Para atividades esportivas competitivas, pode-se considerar um tempo de restrição mais longo, de seis meses.


O Que Evitar na Perimiocardite (Pericardite com Miocardite e Disfunção Sistólica do VE)

Imagem meramente decorativa gerada por IA

Conforme discutido anteriormente, a perimiocardite, diferentemente da miopericardite, é tratada de maneira semelhante à miocardite.

Portanto, existem certas práticas e medicamentos que devem ser evitados nestas condições para não agravar o quadro clínico.

Evitar Anti-Inflamatórios Não Esteroides (AINEs)

Em modelos animais de miocardite, os AINEs mostraram-se ineficazes e, em alguns casos, podem até intensificar o processo miocardítico e aumentar a mortalidade.

Além disso, os AINEs devem ser evitados em pacientes com insuficiência cardíaca (IC), devido ao risco de exacerbação da IC e possível aumento da mortalidade.

Restrição ao Consumo de Álcool

Sugere-se a restrição do consumo de álcool a no máximo uma bebida alcoólica por dia (14 a 15 g de álcool), já que um consumo elevado pode intensificar a gravidade da miocardite. Contudo, o limiar ótimo para o consumo de álcool neste contexto clínico ainda é incerto.

Restrição de Exercícios

A atividade física deve ser restringida para reduzir o trabalho do coração durante a fase aguda da miocardite, especialmente em casos de febre, infecção sistêmica ativa ou IC.

A eficácia desta recomendação foi demonstrada em modelos animais, onde o exercício em infecções murinas por coxsackievirus aumentou a replicação viral no coração e o peso cardíaco em comparação com controles.

A duração ótima da restrição ao exercício é incerta. Concordamos com a declaração científica da American Heart Association/American College of Cardiology Foundation sobre a participação em esportes, recomendando uma abstinência de três a seis meses de esportes competitivos após a miocardite.

Antes da liberação para o retorno às atividades, os pacientes devem ser avaliados com um teste de exercício limitado por sintomas, monitoramento Holter e ecocardiograma. Esta recomendação é baseada em opinião de especialistas.

Notas Adicionais:

  • AINE: anti-inflamatório não esteroide.
  • A duração da terapia de dose completa e subsequente redução deve ser ajustada conforme a resolução dos sintomas e normalização dos marcadores inflamatórios.
  • A redução é iniciada uma vez que os sintomas tenham resolvido por pelo menos 24 horas e os níveis de CRP tenham normalizado.
  • Para pacientes tratados com aspirina como agente antiplaquetário, AINEs como ibuprofeno e indometacina são evitados. Terapia com glicocorticoides também é evitada em pacientes com pericardite peri-infarto.
  • Pode ser indicada proteção gastrointestinal com inibidor da bomba de prótons (por exemplo, omeprazol).
  • A dose de colchicina deve ser reduzida para 0.5 a 0.6 mg uma vez ao dia em pacientes com peso inferior a 70 kg.

Esta tabela resume as opções terapêuticas, doses, durações de tratamento e regimes de redução para pericardite aguda e recorrente, fornecendo um recurso prático para profissionais de saúde.


Reflexão Final e Tabela Comparativa: Miopericardite versus Perimiocardite

A distinção entre miopericardite e perimiocardite é crucial para o diagnóstico e tratamento apropriados destas condições.

Embora ambas apresentem características de pericardite aguda e elevação da troponina, as diferenças fundamentais residem na função sistólica do ventrículo esquerdo (VE) e na abordagem terapêutica.

Tabela Comparativa: Miopericardite vs. Perimiocardite


Locais para realizar o ecocardiograma em Ribeirão Preto:

  1. AMZ – Diagnósticos Médicos
  2. Clínica Endocárdio
    • Website: Clínica Endocárdio
    • Localização: Ribeirão Shopping, Edifício Office Tower – Avenida Braz Olaia Acosta, 727 Sala 1805 – 18° Andar – Jardim California, Ribeirão Preto – SP, 14026-040

É essencial que os profissionais de saúde reconheçam e entendam essas diferenças, pois isso influência diretamente no manejo clínico de pacientes com essas condições.

O entendimento correto das terminologias e a aplicação de tratamentos específicos conforme o diagnóstico podem significativamente melhorar os resultados para os pacientes.

As informações aqui apresentadas são baseadas em dados atuais e confiáveis, provenientes do UpToDate, garantindo que os profissionais de saúde estejam equipados com o conhecimento mais recente e relevante na área de cardiologia.


Dr. Rafael Vinícius Otsuzi Médico pela Universidade de São Paulo - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Residência Médica: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo - HC - FMRP USP Especialista em Cardiologia pela Associação Médica Brasileira (AMB) Título de Especialista em Cardiologia pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC)

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*

Compartilhar
Publicado por
Tags: AMZ artigo médico dor torácica cardíaca dr. rafael otsuzi miocardite Miopericardite inflamatória Pericardite pericardite e miocardite conjuntas recuperação e cuidados prolongados.

Postagens recentes

  • Medicina e Saúde

Aproveite o Sol e Alimentos Ricos em Vitamina D

Você já parou para pensar no papel vital que a vitamina D desempenha em nossa…

2 semanas atrás
  • Medicina e Saúde

Frutas Cítricas para Aumentar a Absorção de Minerais

Frutas cítricas, com seus sabores vibrantes e aroma fresco, são mais do que apenas um…

3 semanas atrás
  • Medicina e Saúde
  • News
  • Notícias

Água Engarrafada e a contaminação por Nanopartículas de plástico

O estudo recente sobre a presença de nanoplasticos em água engarrafada, publicado no Proceedings of…

4 semanas atrás
  • Medicina e Saúde

Hidradenite: o que é, causas, diagnóstico e tratamento

Hidradenite, frequentemente subestimada e pouco conhecida, é uma condição dermatológica crônica que desafia não apenas…

4 semanas atrás
  • Doenças Infecciosas
  • Medicina e Saúde

Infecção pelo HTLV: Uma visão geral

O vírus linfotrópico de células T humanas (HTLV) é um agente infeccioso que, apesar de…

4 semanas atrás
  • Medicina e Saúde

Pé de Atleta: Compreendendo a micose dos Pés

A Micose dos Pés ou Tinha dos Pés, comumente referida como "Pé de Atleta", é…

4 semanas atrás