Gatilhos da Rinite Alérgica

rinite2

A rinite alérgica afeta aproximadamente 20% das pessoas de todas as idades. Os sintomas mais comuns incluem coceira nasal, secreção nasal aquosa, espirros, olhos vermelhos pruriginosos, dor de garganta ou voz rouca.

A rinite alérgica é causada por uma reação nasal a pequenas partículas em suspensão chamadas alérgenos (substâncias que causam uma reação alérgica). Em algumas pessoas, estas partículas também causam reações nos pulmões (asma) e olhos (conjuntivite alérgica).

Um dos primeiros passos no tratamento de qualquer condição alérgica é evitar ou minimizar a exposição aos alérgenos que causam a alergia. Embora isso seja frequentemente útil na redução de sintomas, pode haver uma compensação entre se evitar a exposição e a qualidade de vida. Quando a prevenção à exposição é inadequada para controlar os sintomas, os médicos têm muitas ferramentas para tratar as alergias. O ato de se evitar os alérgenos nunca deve ser tão severo a ponto de se isolar os indivíduos das interações sociais.

A avaliação e o tratamento da rinite alérgica são discutidos em posts separados.

Como identificar os alérgenos?

Existem quatro grandes categorias de alérgenos que desencadeiam a rinite alérgica:

  • Pólens (primavera e verão – árvores, capim, inverno – ambrosia, erva-doce)
  • Insetos (ácaros de casa, baratas)
  • Alérgenos de animais (pele, pelo, penas, saliva)
  • Mofo

Em alguns casos, é fácil identificar os gatilhos de uma pessoa com base no momento em que os sintomas se desenvolvem (por exemplo, durante uma determinada estação, após a exposição a um cão ou gato, etc.). Em pessoas com sintomas durante todo o ano, pode ser mais difícil identificar o(s) alérgeno(s).

O primeiro passo no tratamento da rinite alérgica é reduzir a exposição aos alérgenos. Os alérgenos de dentro de casa mais comuns são os ácaros da poeira e pelos de cães e gatos. No entanto, referente a alérgenos internos, pode-se levar de três a seis meses para haver uma melhora nos sintomas depois dos gatilhos terem sido removidos. Passos para reduzir os alérgenos são discutidos na próxima seção.

A primeira escolha de tratamento geralmente inclui um ou mais medicamentos (por exemplo, sprays de corticóides nasais, anti-histamínicos).

Se os sintomas são graves ou persistem apesar de se evitar o alérgeno, a pessoa pode ser encaminhada a um especialista em alergias para mais testes e tratamento. Especialistas em alergias podem identificar os gatilhos de cada pessoa, para que ela possa se concentrar em reduzir a exposição aos gatilhos que são importantes.

Como reduzir a exposição aos gatilhos?

Uma vez identificados os gatilhos de uma pessoa, o próximo passo é reduzir a exposição a esses alérgenos específicos. Os alérgenos podem estar presentes no trabalho ou em casa, embora para a maioria das pessoas o ambiente doméstico seja a fonte primária. É especialmente importante reduzir a exposição aos gatilhos no quarto porque a maioria das pessoas gasta um número significativo de horas lá. No entanto, para ser eficaz as mudanças devem ser feitas em toda a casa.

Ácaros da poeira – ácaros da poeira são um tipo microscópico de inseto que vive na cama, sofás, tapetes ou qualquer material de tecido. Ácaros da poeira não mordem e não causam outros danos aos seres humanos, além de desencadear alergias.

Os ácaros absorvem a umidade da atmosfera e alimentam-se de matéria orgânica (incluindo pele humana e de animais). Eles requerem umidade suficiente e ninhos para viver (que não são visíveis a olho nu). Infestação de ácaros da poeira é menos comum em climas secos.

A exposição aos ácaros pode ser reduzida ao se encapar travesseiros, colchões, colchões de molas, edredons e móveis em barreiras impermeáveis aos ácaros. Ao cobrir colchões de berço e colchões e travesseiros para crianças, apenas devem ser utilizadas coberturas comerciais ajustadas e destinadas a este fim. Coberturas caseiras (por exemplo, folhas de plástico presas com fita adesiva) não devem ser usadas em camas infantis, pois estas podem se desfazer e as crianças podem ficar presas ou sufocadas. Tecidos apertados com um tamanho de poro de 6 mícrons ou menos são muito eficazes no controle da passagem de ácaros (assim como alérgenos de gato). Tecidos com um tamanho de poro maior do que 2 mícrons ou mais ainda permitem fluxo de ar.

Os ácaros podem ser eliminados lavando-se lençóis e cobertores semanalmente em água morna com detergente ou secando-os em um secador elétrico no ajuste quente. A exposição pode ser ainda mais reduzida por aspiração com um aspirador de pó equipado com um filtro de partículas de ar de alta eficiência (HEPA), limpando o pó regularmente e não dormindo em móveis estofados (por exemplo, sofás).

Os níveis de umidade interna devem ser mantidos entre 30 e 50%. Monitores de umidade baratos podem ser encontrados facilmente para compra. Umidificadores tornam o problema pior e não são recomendados.

Quando possível, a quantidade de desorganização, tapetes, móveis estofados e cortinas deve ser minimizada e cortinas horizontais devem ser eliminadas dos cômodos onde a pessoa gasta mais tempo (quarto, estudo, sala de televisão). Vinil lavável e cortinas do tipo rolô são ótimos. Para as crianças, o número de brinquedos de pelúcia no quarto deve ser minimizado.

Pelos de animais – Pelos de animais são constituídos por células mortas da pele ou escamas (como a caspa) que são constantemente soltas pelos animais. Qualquer raça de cão ou gato é capaz de ser alergênico, embora os níveis desprendidos por animais individuais podem variar em algum grau. Nos gatos, a proteína que causa a maioria das alergias das pessoas é encontrada na saliva do gato, nas glândulas da pele e no trato urinário/reprodutivo. Consequentemente, os gatos de pelos curtos não são necessariamente menos alergênicos do que os de pelos compridos, e os gatos sem pelos têm níveis de alérgenos semelhantes aos dos gatos peludos.

Outros animais, como roedores, aves e furões também podem desencadear sintomas em um indivíduo alérgico. Animais de estimação sem penas ou peles, como répteis, tartarugas e peixes, raramente causam alergia, embora os depósitos de alimentos para peixes que se acumulam sob as tampas dos tanques sejam uma excelente fonte de alimento para as colônias de ácaros.

Se uma pessoa descobre ser alérgica a um animal de estimação, a opção mais eficaz é remover o animal de estimação da casa. Limitar um animal a uma determinada área da casa não é eficaz porque os alérgenos são transportados na roupa ou se propagam no ar. Uma vez que um animal de estimação saiu de casa, uma limpeza cuidadosa (ou remoção) de tapetes, sofás, cortinas e roupa de cama deve ser realizada. Isto é particularmente verdadeiro para alérgenos do gato porque são “pegajosos” e aderem a uma variedade de superfícies internas. Mesmo depois da remoção do gato e da limpeza completa da casa, pode-se levar meses para o nível de alérgenos de gato diminuir. Por esta razão, pode-se levar meses para os sintomas da pessoa refletirem plenamente a ausência do animal de estimação.

Roedores – camundongos e ratos têm proteínas na urina que podem causar alergias. Isto se aplica a roedores que vivem em ambiente de laboratório, bem como roedores que vivem na natureza.

Para reduzir significativamente os níveis de alérgenos de roedores, geralmente é necessária uma combinação de métodos de controle de pragas e pesticidas (por exemplo, iscas venenosas). Isso inclui manter alimentos e lixo em recipientes cobertos, limpando restos de alimentos do chão e bancadas e selando fissuras nas paredes, portas e pisos.

Baratas – fezes de baratas contêm alérgenos que podem desencadear asma e rinite alérgica em indivíduos sensíveis. As baratas prosperam em ambientes quentes e úmidos com alimentos e água de fáceis acessos. Infelizmente, os esforços para controlar as populações de baratas em áreas infestadas não são muitas vezes bem sucedidos. Ainda assim, são recomendadas algumas medidas, incluindo:

  • use armadilhas com iscas múltiplas ou venenos
  • remova prontamente o lixo e os restos de comida da casa
  • lave pratos e utensílios de cozinha imediatamente após o uso
  • remova os detritos da barata rapidamente
  • elimine qualquer água parada de torneiras vazando e ralos
  • mantenha níveis de umidade inferiores a 50% com um desumidificador ou ar condicionado
  • consulte um exterminador profissional para infestações grandes ou recorrentes

Mofos de casas – Esporos de mofo podem desencadear sintomas de rinite alérgica em pacientes alérgicos. O mofo prospera em ambientes úmidos. Áreas tais como dutos de ar condicionado, coletores de água, bandejas de gotejamento do refrigerador, boxes de chuveiros, pias com vazamento e depósitos ou porões úmidos são particularmente vulneráveis ao crescimento de mofo se não forem limpos regularmente. A maioria dos esporos de mofo entra na casa pelo ar do exterior. No entanto, sob certas circunstâncias, o crescimento do mofo no lar pode ser significativo e piorar os sintomas de alergia.

Para reduzir o crescimento do mofo dentro de casa, é necessário remover o mofo existente e também reduzir a umidade para impedir um novo crescimento no futuro. A umidade pode ser reduzida pela remoção de fontes de água parada e umidade persistente. Remoção de plantas da casa, conserto de encanamento com vazamento, correção de pias e chuveiros que não drenam completamente, remoção do carpete do banheiro que está exposto ao vapor umidade, uso de exaustores no banheiro durante o banho e remoção da umidade de áreas úmidas a níveis abaixo de 50% são alguns passos que podem ajudar a reduzir ou impedir o crescimento do mofo.

Os baldes de lixo internos devem ser regularmente desinfetados e um desumidificador elétrico deve ser usado para remover a umidade de depósitos ou porões molhados ou úmidos. Livros antigos, jornais e roupas devem ser descartados ou doados em vez de armazenados. Tapetes e placas de paredes ou tetos danificados com água devem ser jogados fora, porque é difícil ou impossível eliminar o mofo nesta situação, mesmo com limpeza completa.

O mofo prospera na película do sabão que cobre telhas, pias e argamassa. As pias, banheiras e outras superfícies com crescimento visível de mofo devem ser limpas pelo menos de 4 em 4 semanas com água sanitária diluída (30 ml diluídos em 1L de água).

Filtros de ar – Aparelhos de filtragem de ar, incluindo filtros HEPA, outros filtros mecânicos e filtros eletrostáticos, são amplamente divulgados para reduzir alérgenos internos. Estes podem ser comercializados como componentes de sistemas de aquecimento ou refrigeração, como unidades individuais para uso em uma sala ou área ou como unidades que são utilizados por indivíduos. Estes dispositivos são caros e não existe comprovação cientifica de que trazem melhora significativa nos sintomas de alergia. Certos tipos de filtros de ar (por exemplo, ionizadores) produzem ozônio, que é um irritante respiratório para algumas pessoas. Estes dispositivos não foram provados seguros ou eficazes e não são recomendados.

Existem vários fatores que interferem com o quão bem os filtros de ar funcionam e isso pode explicar parcialmente por que os estudos mostraram resultados mistos:

  • Os filtros de ar não removem os alérgenos do ácaro da poeira de forma eficaz porque estes alérgenos são relativamente pesados e não permanecem no ar durante mais de alguns minutos (por exemplo, depois de fazer uma cama ou de perturbar uma almofada empoeirada).
  • A maioria dos filtros de ar provavelmente remove pólens e pelos de animais de estimação do ar porque esses alérgenos são leves e permanecem no ar. No entanto, se houver um animal de estimação, carpetes, móveis estofados, acesso ao ar exterior, ou algum outro reservatório de alérgenos nas proximidades, o alérgeno é continuamente liberado a partir destes itens à medida que as pessoas se movem na casa. Há muito mais alérgenos nestes reservatórios do que um filtro de ar pode remover. Portanto, os alérgenos continuamente entram no ar, mesmo que ele esteja sendo filtrado, e o benefício de um filtro de ar é mínimo.
  • Em contraste, numa sala onde não há carpetes, cortinas, móveis estofados, acesso ao ar exterior e animais de estimação não são permitidos, um filtro de ar pode melhorar a qualidade do ar.

Além disso, um aspirador com um sistema de filtração HEPA e um saco de vácuo de dupla espessura podem ajudar a reduzir os níveis de alérgenos. Isso é recomendado para evitar uma nova inalação dos detritos que são capturados na aspiração. Um estudo controlado relatou uma redução referente aos alérgenos de cães e gatos, mas não nos níveis de alérgenos do ácaro da poeira, e uma melhora clínica na asma e sintomas de rinite alérgica em casas limpas com aspiradores equipados com filtros HEPA, em comparação com aspiradores sem filtros especializados.

Alérgenos ao ar livre – sintomas de rinite alérgica que pioram quando se está ao ar livre e em certas épocas do ano são susceptíveis de serem desencadeados por uma alergia ao pólen, outro material vegetal ou mofos.

As pessoas afetadas devem fechar as janelas do carro e da casa, ficar dentro de casa quando possível e usar aparelhos de ar condicionado para filtrar o ar durante os períodos de pico dos sintomas. O uso de uma máscara de alta qualidade pode ser útil para certas atividades, como corte de grama e jardinagem. Também é útil para evitar irritantes não específicos, como poeira e fumos, que podem desencadear espirros. Tomar uma ducha antes de se deitar na cama remove alérgenos do cabelo e da pele e pode ajudar a reduzir a contaminação da cama. Sprays salinos e enxágues podem ser usados depois de se estar ao ar livre para limpar o revestimento nasal.

Anúncios

2 comentários sobre “Gatilhos da Rinite Alérgica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s