Queda de cabelo (alopecia androgenética)

 

alopecia

Perder o cabelo pode ser tornar uma experiência frustrante, para muitas pessoas.

Felizmente, os tratamentos estão disponíveis para ajudar o cabelo a crescer ou impedir a perda de cabelo adicional.

 

Causas da perda de cabelo na alopecia androgenética 

O folículo piloso é uma estrutura que encaixa a parte inferior do eixo do cabelo. Cada folículo contém vasos sanguíneos que nutrem o crescimento do cabelo novo. Todos os folículos pilosos estão presentes no nascimento. Ao longo da vida, cada folículo cresce, formando cabelos em um ciclo repetitivo.

● A fase de crescimento para um único cabelo novo dura em média dois a três anos.
● No final deste período, o crescimento cessa e o folículo entra numa fase de repouso.
● Após três a quatro meses na fase de repouso, o cabelo cai e o próximo ciclo de crescimento começa.
Em um couro cabeludo normal, aproximadamente 80 a 90 por cento dos folículos estão em crescimento a qualquer momento. Cada dia, são perdidos cerca de 75 fios de cabelo, enquanto o mesmo número entra em uma nova fase de crescimento.

Em homens com alopecia androgenética, hormônios relacionados à testosterona (também chamados andrógenos) levam os folículos pilosos a uma fase de crescimento mais curta do que o normal, resultando em grupos de cabelo que são anormalmente curtos e finos. Estes folículos são considerados “miniaturizados”.

É geralmente considerado que o fator genético influencia fortemente o desenvolvimento da alopecia androgenética nos homens.

A genética também parece desempenhar um papel no risco de alopecia androgenética em mulheres, embora outros fatores (alguns dos quais permanecem desconhecidos) também podem ser importantes. Como exemplo, níveis anormais de andrógenos no sangue são a causa da alopecia androgenética em uma minoria de mulheres.

 

Pesquisas adicionais são necessárias para proporcionar uma melhor compreensão do papel da genética e outros fatores na alopecia androgenética.

 

 

Sintomas de perda de cabelo –

pente com queda de cabelo

Homens e mulheres experimentam alopecia androgenética com freqüência parecida, embora seja mais leve nas mulheres e mais fácil de disfarçar a perda dos cabelos.

Nos homens, a alopecia androgenética caracteriza-se pelo gradual afinamento do cabelo que afeta mais frequentemente a coroa e as áreas frontais do couro cabeludo. Em muitos homens,  um padrão de cabelo em forma de M se desenvolve. O cabelo em áreas afetadas pela perda de cabelo pode ser de vários comprimentos e espessura, e a presença de comprimentos e espessuras irregulares é um sinal clássico de perda de cabelo de padrão masculino.

Nas mulheres a perda de cabelo é um pouco mais difusa do que nos homens e raramente experimentam perda de todos os seus cabelos.

 

 

DIAGNÓSTICO DA PERDA DE CABELO –

A alopecia androgenética geralmente pode ser diagnosticada através de história médica e examinando o couro cabeludo através da tricoscopia.

Em alguns casos, você vai precisar de exames de sangue para procurar outras causas de perda de cabelo, como mudanças nos níveis hormonais, níveis baixos de ferritina (anemia ou diminuição da reserva de ferro) ou problemas de tireóide.

 

 

IMPACTO PSICOSOCIAL DA PERDA DE CABELO –

O impacto psicossocial da perda de cabelo pode ser grave para algumas pessoas, especialmente para as mulheres, uma vez que há pouca compreensão ou aceitação da condição. Tanto mulheres como homens podem ter dificuldade com questões de baixa auto-estima ou de sentimento pouco atraente.

Se você está tendo dificuldade com o impacto psicossocial de perder seu cabelo, fale com um profissional de saúde sobre seus sentimentos. Os profissionais podem oferecer suporte e dicas sobre revestimentos cosméticos.

 

 

TRATAMENTO DE PERDA DE CABELO –

Há uma grande diversidade para tratamento capilar.

Em particular, dois medicamentos, minoxidil e finasterida, estão disponíveis para tratar a queda de cabelo de padrão masculino em homens. As mulheres podem ser tratadas com minoxidil ou um medicamento chamado espironolactona. Ocasionalmente, a finasterida é utilizada em mulheres que não respondem a outras terapias, mas são casos de exceção.

Opções cirúrgicas também podem ser consideradas em alguns casos.

 

Minoxidil –

Minoxidil promove o crescimento do cabelo, alongando a fase de crescimento dos folículos pilosos e estimulando mais folículos para produzir cabelo. Os cabelos que são produzidos tendem a ser maiores e mais grossos.

Como aplicar Minoxidil é um tratamento de couro cabeludo, não um tratamento de cabelo. Um mililitro do líquido ou espuma deve ser aplicado às áreas afetadas do couro cabeludo usando um conta-gotas ou um dispositivo pulverizador. A solução deve ser levemente espalhada sobre a área afetada com um dedo. As pessoas que usam minoxidil devem ter um couro cabeludo normal e saudável.

Resultados – Minoxidil deve ser utilizado durante pelo menos seis meses para determinar se é eficaz. Quando é eficaz, você geralmente começa a perder menos cabelo dentro de dois meses após o início do tratamento, e por quatro a oito meses o cabelo começa a crescer. Os efeitos do minoxidil geralmente se estabilizam após 12 a 18 meses de uso.

O tratamento com minoxidil deve ser continuado indefinidamente. Se for descontinuado, qualquer cabelo que tenha sido mantido ou regenerado como resultado da medicação será perdido.

Nem todas as pessoas se beneficiam com o minoxidil. Os melhores resultados são observados quando a calvície está presente há menos de cinco anos, quando afeta a coroa (parte superior) da cabeça, e quando a área de perda de cabelo é menor que 10 centímetros de diâmetro. Estudos têm demonstrado que 30 a 40 por cento dos homens e mulheres com perda de cabelo na coroa, têm resultados significativos com minoxidil.

Efeitos secundários – Minoxidil provoca poucos efeitos secundários. Ocasionalmente, a pele do couro cabeludo pode ficar vermelha ou irritada, causando prurido. Efeitos colaterais podem ocorrer se o minoxidil for absorvido por rachaduras ou cortes no couro cabeludo. As pessoas com história de doença cardíaca, em particular, devem ter precaução com os efeitos colaterais sistêmicos, como aumento da freqüência cardíaca, inchaço nas mãos ou pés ou ganho de peso.

 

 

Finasterida –

Finasterida é uma pílula que diminui a produção de um dos hormônios associados com alopecia androgenética, resultando em diminuição da queda e um aumento da quantidade de cabelo no couro cabeludo.

Os homens podem tomar finasterida por boca 1x por dia. Os efeitos secundários podem incluir fraqueza e tonturas. Doses mais elevadas de finasterida (como aquelas usadas para tratar algumas condições da próstata) podem causar efeitos colaterais incluindo disfunção erétil e diminuição do desejo sexual. No entanto, tais efeitos secundários raramente são vistos com a dose baixa utilizada para tratar a perda de cabelo.

Finasterida não é seguro para uso em mulheres que podem engravidar por causa de preocupações com o desenvolvimento de genitália anormal no feto masculino. Estas mulheres não devem sequer tomar pílulas de finasterida. Finasterida não foi aprovada para ajudar a crescer o cabelo na maioria das mulheres. No entanto alguns especialistas selecionam algumas pacientes em casos excepcionais.

 

 

Espironolactona – A espironolactona também antagoniza a ação de hormônios que contribuem para a alopecia androgenética. As mulheres com alopecia androgenética que não respondem ao minoxidil podem se beneficiar da adição de espironolactona, através de recomendação médica.

Os efeitos colaterais potenciais incluem tonturas, sonolência, sensibilidade mamária e níveis elevados de potássio no sangue. Os pacientes devem conversar com seu médico  sobre possíveis efeitos colaterais antes de tomar espironolactona.

Como a finasterida, a espironolactona não deve ser tomada durante a gravidez. As mulheres que são capazes de engravidar devem usar contracepção confiável ao tomar esse medicamento.

 

 

Laser – Aprovado para alguns tipos de alopecia androgenética masculina e feminina, age estimulando o crescimento dos fios de cabelo.

 

 

Cirurgia – Para alguns pacientes, o tratamento cirúrgico da perda de cabelo pode ser uma opção. Opções cirúrgicas incluem transplante de cabelo, em que os folículos saudáveis de outras partes do couro cabeludo são transplantados para áreas afetadas pela calvície. Redução do couro cabeludo é outro procedimento às vezes realizado. Na redução do couro cabeludo, remendos calvos do couro cabeludo são removidos e a pele restante é costurada em conjunto.

 

Tratamentos alternativos:

Intradermoterapia

A intradermoterapia consiste na aplicação de substâncias como minoxidil, finasterida diretamente no couro cabelulo; ou substâncias como fatores de crescimento e vitaminas.

Outros procedimentos de estímulo de crescimento incluem o uso de microagulhamento capilar e carboxiterapia.

 

Posts relacionados:

Alopecia Areata – Visão Geral

Dermatite seborréica

Medicamentos que podem causar queda de cabelo

 

Revisão da literatura atual: Feb 2017

rafaelotsuzi.com.br

Deixe uma resposta