Coronavírus: Um maior detalhamento sobre prevenção.

Coronavirus corona virus prevention for COVID-19 banner. Hand sanitizer alcohol gel rub vs washing hands hygiene in hospital or Asian woman wearing face mask preventive epidemic spreading header.

As informações sobre prevenção da disseminação do novo coronavírus são muito valiosas para o momento atual.

Além disso, se for criado um hábito a respeito de medidas básicas de higiene e prevenção de infecções transmitidas por secreções respiratórias e objetos contaminados, isso pode ser uma lição extremamente útil para uma vida toda.

Os cuidados básicos que devemos adotar para não pegar o coronavírus também servem como prevenção de inúmeras doenças infecto-contagiosas, incluindo gripes (H1N1, H3N2), resfriados, determinadas gastroenterites, faringites, conjuntivites, pneumonias, meningites, entre diversas outras patologias infecciosas.

Apesar de já existirem vários textos sobre o assunto, acredito que eu posso acrescentar detalhes que podem fazer a diferença nesse contexto. Darei exemplos práticos e detalhados, utilizando minha própria experiência de médico e viagem no ano passado para Itália.

 

Vamos aos detalhes adicionais que considero importantes em relação a prevenção mais eficaz e que certamente podem passar despercebidos:

 

Lavar as mãos:

Lavar as mãos é fundamental, isso é óbvio, porém não é tão simples quanto parece.

Corona virus travel prevention wash hands with soap and hot water. Hand hygiene for coronavirus outbreak. Protection by washing hands frequently concept panoramic banner header.

Vamos imaginar uma situação:

Você vai jantar e se propõe a lavar as mãos com água e sabão, segue as recomendações para conseguir lavar as palmas das mãos, dorso das mãos, espaço entre os dedos, polegar, dobras dos dedos, pontas dos dedos etc. Além de conseguir limpar todas as regiões, faz no tempo certo. Alguns criaram até uma dica em relação ao tempo de lavar as mãos, cantar 02 parabéns, ou rezar uma Ave Maria.

Em resumo, lavou as mãos e punhos, conseguindo limpar todas as regiões, no tempo adequado e a mão ficou limpa. Ótimo, muito bom, porém lavou a mão e logo em seguida pegou no celular que tinha deixado ao lado. Pronto, sua mão está contaminada novamente!

Vamos imaginar outro cenário sem o celular:

Você chega com as mãos sujas ou contaminadas, lava a mão direitinho, seca em uma toalha limpa ou papel descartável, e logo em seguida usa a mão limpa para fechar a torneira que infelizmente estava suja antes de você começar a lavar as mãos. Ops! Mais uma vez a mão pode estar contaminada.

Outro cenário:

Você vai em um banheiro público, toca na fechadura, na maçaneta. Usa o banheiro e depois lava a mão. Até nesse momento tudo bem, mas depois com a mão que estava limpa, toca na fechadura, depois na maçaneta que foi utilizada por várias pessoas. Enfim, mais uma vez a mão está suja.

Esses são somente alguns cenários para perceber que na verdade, se a questão fosse somente lavar as mãos, não estariam sendo tomadas tantas medidas tão impactantes nas nossas vidas para tentar controlar esse “maldito” vírus.

Lavar as mãos com certeza absoluta é fundamental, mas temos que aprender não somente a lavar as mãos, mas tentar mantê-las limpas, pelo menos em situações como ao preparar comida, ao jantar, ao sentar no sofá para assistir algum filme ou seriado e beliscar alguma coisa.

Vamos começar então algumas orientações mais aprofundadas em relação a questão de lavar as mãos e mantê-las limpas por algum tempo.

 

Cenário 01 – Você vai almoçar ou jantar em casa

Pegue seu celular e desinfete (eu particularmente uso algodão com álcool 70%). Caso não seja possível desinfetar o celular, coloque-o em um local da casa próprio para objetos considerados contaminados (ex. carteiras, chaves, cartões). Em ambas as situações, idealmente não toque mais no celular até terminar a refeição.

Faça a sequência adequada para lavar as mãos (veja o link para o vídeo que disponibilizarei no final do texto). Seque-as em um papel descartável (pode ser esses papéis usados em hospitais, consultório médico, sanitários de shopping, etc). Use o papel para fechar a torneira. Se não tiver o papel, tente fechar a torneira com o antebraço, mas não com as mãos limpas, porque relembrando, você e outras pessoas usaram a mão suja para abrir a torneira.

Pronto! Sua mão está mais limpa, além de você poder saborear o momento da refeição sem a tentação de ficar checando o celular o tempo todo. Além de prevenir infecções, incluindo o Covid-19, ao deixar o celular de lado por um tempo, sua família vai sentir você mais presente neste momento.

 

Cenário 02 – Comendo fora de casa. 

Algumas dicas acima se repetem, porém em adicional existe o momento de pegar a carteira (outro objeto que é muitas vezes sujo), o cartão de crédito, além da maquininha de cartão de crédito, onde todos tocam a mão. Neste caso, muitas vezes tenho usado aquele cartão de aproximação, que permite que você faça compras de até 50 reais sem ter que digitar nenhuma senha ou entregar o cartão ao atendente. Basta somente aproximar da maquininha. Ou seja, você evita que o atendente de caixa, que é uma pessoa que está o tempo todo mexendo com dinheiro e cartões de várias pessoas, pegue no seu cartão, além de você próprio não ter que tocar no teclado do dispositivo de cobrança.

Na impossibilidade de lavar as mãos, use álcool gel (veja vídeo de 01 minuto sobre como usar álcool gel adequadamente no final do texto).

 

Cenário 03 – Em viagem

É claro que agora, a maioria das pessoas está evitando viagens, mas em algum momento, voltaremos a viajar. Ano passado estive na Itália, justamente na região mais afetada inicialmente pelo Covid-19 (norte da Itália). Na época, nem se falava em coronavírus, ainda era julho de 2019. Mesmo assim, meu companheiro de bolso era um álcool gel. Lembro que na Catedral Duomo de Milão, eles tinham várias restrições, mulheres de camiseta regata, ou de saia tinham que usar o “kimono”, um tipo de avental para cobrir braços e pernas e além disso, não podia entrar com líquidos. Na hora, que li a placa que não podia líquidos, não tive dúvidas, tirei o álcool gel do bolso, só que coloquei dentro de uma bolsinha que estavam as escovas de dentes. Sem querer, na pressa, contaminei as escovas de dentes, não é? Pois o álcool gel é antisséptico, e me ajudou a passar a viagem sem pegar infecções, porém o frasco por fora é sujo. Acontece, rs!

Quantos brasileiros voltaram da Itália doentes, com infecções respiratórias? Pelo que andei vendo por informações, foram muitos! Infelizmente, vi situações na Itália, especificamente em Veneza, onde o mesmo funcionário que recebia o pagamento, preparava o sorvete, porém sem nenhuma higiene, pegava o cone do sorvete, com a mesma mão suja que tinha acabado de receber o dinheiro, e ainda pegava por dentro do cone. Depois de rechear o cone do sorvete com sua mão certamente suja, pois não vi lavar a mão em nenhum momento, colocava a bola de sorvete, e por fim, colocava um guardanapo no cone e entregava para nós. Um profissional com instruções totalmente inadequadas pelo serviço que faz. Ou seja, uma “máquina” de espalhar infecções (diversas) para os turistas.

 

Cenário 04 – Voltando para casa e pegando o elevador:

Nesse final de semana, fizeram algo extremamente útil no meu condomínio: colocaram álcool gel no elevador. Por tudo que expliquei acima, sabendo como é difícil manter as mãos limpas o tempo todo, álcool gel no elevador é realmente uma ótima ideia nesse momento de combate ao coronavírus. Dessa forma, fica mais fácil evitar de trazer contaminações para casa. Parabéns a quem teve esta ideia.

Converse com o síndico do seu prédio e veja se é possível levar adiante essa iniciativa. E espero que esse álcool gel persista mesmo após o fim dessa fase ruim que estamos vivendo.

 

Situações diversas:

Hoje, posso contar situações que já fazia antes do coronavírus que muitos achavam “estranho”. Atualmente, diminui bastante a ingestão de lanches acompanhados de batata-frita, tenho que manter a saúde e dar o exemplo, certo? Mas, de vez em quando, pedia esse combo. Muitos achavam estranho que eu deixava de lado vários “toquinhos” de batata-frita. Explico melhor, normalmente nós temos o hábito de comer batata-frita com a mão, correto? Porém usamos a mão para pegar na carteira, e/ou no celular, ou no cartão, ou seja, costuma ser suja. Dessa forma, eu pegava a batata pela pontinha, comia até onde dava, e deixava de lado aquela região que coloquei a mão suja. Faço o mesmo com outros alimentos que se comem com a mão, por exemplo, aqueles palitinhos crocantes de aperitivo (também deixo as pontinhas que toquei com a mão sem comer).

Isso era, até alguns meses atrás, algo que as pessoas achavam muito estranho. Talvez alguém ainda ache exagero, porém, nos dias de hoje, muitos entendem que este simples e diferente gesto pode me polpar de pegar diversas infecções, e assim, evitar de espalhá-las para outras pessoas queridas, além de ter que me ausentar do meu trabalho atual no consultório que tanto gosto.

Cuidados sendo médico:

Como disse acima, além das mais de 16 mil horas trabalhadas em UTI, passei mais milhares de horas em Salas de Emergência e outros serviços diversos. Dessa forma, me acostumei a não levar a mão na boca, nariz e olhos. Podem reparar nas pessoas ao redor, quantas vezes elas levam as mãos nos olhos e outras regiões do rosto ao longo do dia. É algo bem difícil de evitar.

Por ser difícil controlar a mania que temos de levar as mãos no rosto, você pode contar com a ajuda de uma pessoa próxima. Combine com alguém que você tenha intimidade para tal, de te avisar quando você tocar partes do rosto que não deveria. Eventualmente, a pessoa também vai te pedir o mesmo, e vocês seguirão, de maneira mais efetiva, esta importante recomendação na prevenção de Covid-19.

Orientações recebidas e bons exemplos permitem o aprendizado e são capazes de gerar mudanças de atitudes. Estas, por sua vez, podem se tornar um hábito, e algo que parecia difícil, se torna rotineiro.

Como profissional de saúde, mesmo antes do Covid-19, eu já tinha um costume de deixar roupas e acessórios próprios para ir aos hospitais. Tenho o sapato e o jaleco que uso no hospital. Ao entrar em casa, o sapato fica na área de serviço e o jaleco em cesto separado. E durante os anos de UTI, era necessário retirar a aliança. Dentro do hospital eu chego pego a almotolia de álcool 70% passa no algodão e vou limpando a mesa onde vou ficar, teclado, mouse, mousepad, telefone, controle do ar. Crio um ambiente de limpeza para começar a colocar meu carimbo, canetas, esteto, entre outros. Me surpreende sempre a sujeira acentuada que sai dos objetos, principalmente do teclado.

Fica a dica: caso seja um consenso entre você e seu esposo(a), retirar a aliança, até a crise do coronavírus passar, pode ajudar a manter as mãos mais limpas (eu e minha esposa retiramos a nossa esta semana).

Resumindo: se for possível, retire adornos (anéis, alianças) das mãos para facilitar a higienização e prevenir a disseminação do Covid-19.

Cuide também das unhas deixando-as curtas e limpas.

Outra dica importante é em relação ao celular. Reforço que o celular de maneira geral é muito contaminado, por isso eu tenho uma capinha para usar no hospital  e outra para o dia-a-dia. Você também pode deixar uma para seu usada quando for a lugares públicos, e trocá-la por outra mais limpa ao chegar em casa. Dá trabalho, mas pode ajudar.

Evite tosse nas mãos, use como opção o cotovelo ou um lenço ou papel descartável.

Mantenha uma distância de cerca de 01 metro, talvez idealmente 02 metros entre outras pessoas, principalmente com sintomas, suspeita ou caso confirmado de coronavírus.

 

Fatos que reforçam a necessidade de lavar as mãos. 

Citei a Itália acima porque, infelizmente, os italianos estão sofrendo um drama imenso, e desejo profundamente que se recuperem logo. Conforme dito anteriormente, pequenos detalhes podem fazer a diferença. A lojinha de sorvete sem higiene é só um exemplo de como a falta de cuidados básicos é capaz de espalhar infecções diversas.

Ano após ano, temos a gripe sazonal, ou seja, ela faz um pico no período de temperatura mais baixa e depois diminui bastante.

Porque as gripes aparecem mais no inverno?

Acredito que existam diversos motivos, não sou especialista no assunto, mas o fato da temperatura cair faz com que as pessoas lavem menos as mãos. Outra questão é que os vírus permanecem mais tempo em objetos e superfícies contaminadas, com a temperatura mais amena. As pessoas também acabam tendo um contato mais próximo  durante os dias mais frios, permanecendo em locais fechados. Além do que foi citado, deve haver outros motivos para a gripe apresentar essa sazonalidade, mas, com certeza, a diminuição na frequência de lavagem das mãos, bem como a higienização muito rápida, sem a mesma eficiência durante o inverno, têm o seu papel.

 

prevencao-coronavirus

Qual minha experiência prática com prevenção de infecções contagiosas?

Fiz a faculdade (2002) em um local em que era muito cobrado os cuidados de prevenção contra bactérias, vírus e outros agentes infecciosos. O conhecimento de frequentar o hospital, sem espalhar infecções e sem se contaminar era algo levado muito a sério no Hospital das Clínicas da FMRP-USP.  Em 2009 começou a pandemia de H1N1 no período que estava como residente no mesmo serviço. Não existia vacina, crianças, gestantes, idosos estavam internando de forma bem grave, todo cuidado era pouco para não se contaminar!

No mês seguinte ao término da residência, comecei a fazer 368 horas mensais dentro de Hospitais, sendo responsável pelo setor de Terapia Intensiva (UTI e CTI), incluindo leitos de isolamento respiratório, sala de emergência e enfermarias. Somente de 2011 até 2014 quando parei de trabalhar em UTI, acumulei no mínimo 16 mil horas dentro de Hospitais.

Desse modo, vendo tantos pacientes graves por infecções diversas, mentalmente fui me adaptando a ter o máximo de cuidado com as mãos, e criando hábitos para não me contaminar e não contaminar os pacientes ao meu cuidado.

É dessa experiência prática, somada às informações de fontes confiáveis e atuais disponíveis, que faço esse importante documento para ajudar a nossa população no combate ao Covid-19.

 

Link => sobre como higienizar as mãos com água e sabão

 

Covid-19 - Casos no Mundo e no Brasil de Coronavírus

MONITORIZAÇÃO DOS CASOS DE CORONAVÍRUS NO BRASIL E NO MUNDO – clique no link abaixo e acompanhe:

https://gisanddata.maps.arcgis.com/apps/opsdashboard/index.html#/bda7594740fd40299423467b48e9ecf6

O relato foi extenso, detalhado e ainda não esgotei o assunto. Acrescentarei na medida do possível, mais informações e mais informações. Sei que não dá para seguir todas as orientações, mas espero de coração ter contribuído com pelo menos 01 dica importante para vocês.

Você ainda pode conseguir mais informações confiáveis no link de cursos de extensão da USP. São vídeos feitos por 11 Professores da FMRP-USP que informam sobre coronavírus e estão disponíveis gratuitamente pelo Link => https://cursosextensao.usp.br/dashboard/

Clique no link e digite corona que o curso irá aparecer.

Seja um recurso de informações seguras e confiáveis.

Assim você ajuda seus familiares e amigos!

 

 

 

 

2 comentários sobre “Coronavírus: Um maior detalhamento sobre prevenção.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.